Porsche 356 Speedster – História – Carros Antigos

Porsche 356 C Speedster Sobre o Porsche 356 Speedster 

Porsche 356 é o nome de uma linha de automóveis produzidos de 1948 até 1965, e é considerado o primeiro carro produzido pela Porsche. “356” faz alusão ao fato deste ser o 356° projeto do escritório de design Porsche. Apesar da marca Porsche estar intimamente relacionada ao modelo 911, esses modelos dos primeiros anos da Porsche são muito valorizados hoje em dia, não necessariamente pelo seu desempenho ou esportividade, mas por sua raridade, beleza e valor histórico.

Modelos bem conservados, sobretudo conversíveis, podem facilmente atingir cifras além dos 150.000,00 dólares.

Em 2004, a revista Sports Car International elegeu o 356C o 10° melhor carro na sua lista dos melhores da década de 60.

Hoje este item de colecionador mantém seu status de carro que resistiu ao teste do tempo, e a maior parte deles ainda roda em ótimo estado. Embora a princípio muito parecido com as derivações do Volkswagen Fusca que surgiram no pós-guerra, o 356 pavimentou o caminho para a formação da marca como é hoje, servindo de base para o desenho do 911, e definindo o paradigma do que se conhece por “Porsche” atualmente.

Poucas unidades foram trazidas para o Brasil, e o modelo gerou um certo mercado para réplicas de fibra, sobretudo na época da proibição das importações, durante a ditadura.

 

Porsche No. 1 Type 356 (protótipo)

História do Porsche 356 Speedster

A história do Porsche 356 se confunde com a história da Volkswagen e da própria Porsche. Derivado diretamente do Volkswagen Fusca do pós-guerra, este modelo se diferenciou das muitas outras variações do Volkswagen por ter tido a participação direta dos projetistas deste último – Dr. Ferdinand Porsche, seu filho Ferry e o projetista austríaco Erwin Komenda.

Existe uma certa controvérsia quanto ao fato deste ser mesmo o primeiro modelo da fábrica. O protótipo foi precedido pelo similar Porsche 64 (também conhecido como 64K10), construído antes da Segunda Guerra, porém tal veículo na verdade foi uma modificação do Fusca pré-guerra encomendada à Ferdnand Porsche pela própria Volkswagen, construído para uma corrida específica na itália.

É evidente que o desenho inspirou diretamente o primeiro protótipo do 356 (um modelo “spider” com motor central, adequadamente conhecido como “Number 1”). Sua condição de “Fusca modificado”, entretanto, torna difícil classificá-lo como um produto da empresa que hoje conhecemos como Porsche.

Na verdade, o Fusca e o Porsche compartilham mais coisas além da origem. Como dito anteriormente, o conceito do Porsche 356 foi criado por Ferdinand “Ferry” Porsche e desenhado por Erwin Komenda, ambos figuras muito importantes no desenvolvimento da firma Volkswagen.

Naturalmente, muitos detalhes do projeto tiveram uma fonte em comum.

Na década 40, após a devastadora II Guerra Mundial, Ferry Porsche decidiu concretizar o sonho de um fábrica de automóveis que levasse o nome da família (apesar do envolvimento do escritório de design Porsche, a Volkswagen pertencia ao governo alemão). Sua ideia original era construir um automóvel inteiramente novo, porém as dificuldades do pós guerra forçaram o uso de peças do Fusca (motor, transmissão, etc.).

Então, em 1947, os trabalhos começaram, com a construção de um molde de madeira onde foram marteladas placas de alumínio, dando forma ao primeiro protótipo, um modelo “spider” (sem capota e com dois lugares) prateado, com motor central.

Após o protótipo, a firma produziu uma série de 50 coupés de alumínio, já com motor traseiro e com o formato tradicional, conhecidos como “Coupés Gmünd” (cidade na qual a firma originalmente se instalara). Brevemente se iniciaria a produção do modelo com carroceria em aço, que gradualmente evoluiu durante os anos em carroceria (coupé, roadster, conversível) e motor (do 1.1L original até o 2.0L).

Aposentado em 1965, modelos bem conservados do 356 podem atingir preços bem altos hoje em dia.

Várias modificações marcaram os 27 anos de produção do 356. Existiram quatro modelos principais (seis, se contarmos separados o protótipo e a série Gmünd), além de algumas séries especiais, conforme descrito na linha do tempo abaixo:

Linha do tempo:

1932 – Início do projeto “Volksauto”
1936 – Finalizado o projeto do motor que viria a equipar o Fusca e, posteriormente, o 356
1939 – VW Aerocoupe
1947 – Protótipo Nr. 1
1948, 1949, 1950 – Série 356 Coupé Gmünd
1949/1955 – 356, modelo de produção
1955/1959 – 356 A
1959/1963 – 356 B
1963 – 356 C

 

Porsche 356 – Produção:

Tipo / Quantidade
356 (1950-55) 7,627 unidades
356A (1955-59) 21,045 unidades
356B (1959-63) 30,963 unidades
356C (1963-65) 16,668 unidades

 

Modelos

Porsche Speedster 356; Porsche Speedster; Speedster 356; Speedster 356 Porsche; 356 Speedster; Porsche; Porsche 1947; Porsche 1948; Porsche Speedster 1949; Porsche Speedster 1950; Porsche Speedster 1950; Porsche Speedster 1951; Porsche Speedster 1952; Porsche Speedster 1953; Porsche Speedster 1954; Porsche Speedster 1955;Porsche 356 Speedster: 1947-1955

Em 1947, teve início a construção do protótipo Porsche 356 Spider Roadster, em alumínio, com motor central de 1.1L. Apesar de ser um 356, muitos consideram este um projeto separado, dadas as diferenças no layout mecânico. Logo o projeto começaria a adquirir seu formato definitivo; entre 1948 e 1950, 50 carros foram produzidos ainda na Áustria – daí o nome, 356 “Coupé Gmünd”, em homenagem a essa cidade austríaca. Apesar de ainda ser de alumínio martelado manualmente no molde de madeira, esta série já possuía configuração mecânica similar aos modelos posteriores. O modelo de produção começou a ser fabricado já em Stuttgart, com carroceria em aço, e design com as características finais assinadas por Erwin Komenda. Com números de produção mais expressivos, a marca Porsche começava a se firmar e a ganhar fama fora de sua terra natal. E a partir dessa fama surgiram algumas derivações. Quando os primeiros automóveis começaram a ser importados para os Estados Unidos por Max Hoffman (responsável pela importação de quase todos os modelos europeus da época), ele sugeriu a Porsche que peparasse uma versão mais espartana para aquele mercado. Daí surgiram as séries “356 America” (1952), com 16 veículos produzidos, carroceria especial em alumínio e para-brisa removível, e Speedster – resultado direto da sugestão do importador – similar ao “America” porém em aço e com para brisa fixo (1953), além do acabamento espartano, bancos especiais e teto de lona menor.

Porsche 356 A Convertible 1600 S 1958Porsche 356 A Speedster: 1955-1959

Com pequenas alterações cosméticas na carroceria, em 1955 estreou a série 356 A – com carroceria toda em aço, para-brisas em peça única e curvada, rodas menores e opções de motorização diferentes. Desta série derivou o 356 A Carrera (1955), com motor 1500S e dupla carburação e velocidade máxima de 170 km/h, e o 356 “Convertible D” (1958), basicamente um Speedster com para-brisa maior, janelas laterais em vidro e outras melhorias. O “D” significa “Drautz”, o fabricante da carroceria (as outras eram feitos por uma firma chamada Reutter). 1300 conversíveis foram fabricados.

Porsche 356 B Speedster de Carros Antigos - Replicas de CarrosPorsche 356 B Speedster: 1959-1963

Seguindo já naquela época o costume atual de enfatizar mudanças na linha com pequenas alterações cosméticas, em 1959 começou a ser vendida aquela que seria a mais difundida e popular série do 356, o “356 B”. Na carroceria, as diferenças mais marcantes foram nos para-choques ligeiramente mais altos, no capô mais reto e largo e nos respires do motor em duas colunas. As principais opções de motor eram a Super 90 e 2000 GS. Deste modelo derivaram o 356 B Roadster (1959), o 356 Carrera Abarth (1960), um modelo de corridas, e o 356 Carrera 2 (1962), um dos modelos mais famosos e potentes. Com cerca de 450 modelos produzidos, entre coupés e cabriolets, esses modelos se tornaram bastante valiosos.

Porsche 356 C Speedster de 1963 a 1965 – Carros Antigos - Replicas de CarrosPorsche 356 C Speedster: 1963-1965

A última série da linha 356 debutou em 1963, basicamente com novos freios a disco nas quatro rodas, motores 1600S, 1600SC ou Carrera 2, e apenas uma carroceria disponível (coupé), já ligeiramente similar à do futuro modelo 911. Apesar de 1965 marcar o fim da produção do modelo, seu motor continuou a ser utilizado no modelo 912, basicamente um 911 de baixo custo.

 

Fonte: wikipedia.org

Referências
Wood, J (1997). Porsche: The Legend. Parragon. ISBN 0-75252-072-5.